Intervenção

Após entender quais são as dificuldades e/ou transtornos de aprendizagem, deverá ser iniciado as intervenções psicopedagógicas de maneira lúdica, terapêutica, para levar a criança/adolescente/adulto/ em sua autonomia de aprendizagem. As intervenções dependerão do fechamento de diagnóstico e podem ter a duração entre 3 meses a 01 ano ou mais.

Exemplos de intervenção

Leitura e escrita
Ler não é decifrar, escrever não é copiar (Emilia Ferreiro).
Há crianças que não conseguem entender o que estão escrevendo e com ludicidade, calma e intervenção psicopedagógica, é possível levá-la a autonomia de sua leitura e escrita. E o que é ler? Ler é compreender o
processo de leitura como um todo, saber interpretar e ainda, fazer comparações com outros textos.

Raciocínio Lógico
Por meio de jogos como: tabuleiro, xadrez, dama, memória entre outros, é possível fazer com que a criança desenvolva em seu raciocínio lógico, bem como a compreensão de regras, disciplinas e questões emocionais.
Coordenação Motora A criança aprende pelo brincar. Então, com o uso adequado de uma intervenção é possível levá-la a autonomia motora, a aprendizagem e a sua coordenação. Brincadeiras com massinha, lápis, pular corda, reconhecimento de seu próprio corpo e de seu espaço no mundo.

Déficit de Atenção
É preciso mencionar que é de origem genética, que causa um descontrole motor acelerado que acarreta falta de atenção, falhas na memória. Muito frequente em crianças.

Causas do TDAH (Transtorno Déficit Atenção Hiperatividade): Pré-natais (complicações), ingestão de bebidas alcoólicas durante a gravidez, prematuridade, hemorragia.

Por meio de acompanhamento psicopedagógico será possível intervir no processo de aprendizagem e ajudar de maneira tal que essa criança poderá se sentir incluída em sua aprendizagem. O profissional irá auxiliar nas habilidades e desenvolvimento por meio de jogos, amarelinhas, ludicidade e diversos mecanismos para que a aprendizagem possa ocorrer de maneira autônoma.